Disponível

A partir das 16h de 29/05/2021 este percurso está disponível e pronto a ser experienciado.
O percurso está marcado num único sentido e é circular. Procura o placar inicial informativo junto à Igreja Matriz! Depois é só seguir as setas azuis e brancas que encontras nas placas metálicas, estacas de madeira ou pinturas.

Ir para a Igreja Matriz!

Coordenador de Percurso

André Maria

O Coordenador de percurso pode ajudar-te caso tenhas dúvidas!


Contacta-me!

Distância

9,40 km

Altimetria

+ 462m

Duração

02:30

Dificuldade

Média

Bem-vindo à freguesia de Fornos!

Este é o percurso PP01 do PayváPé, pela encosta do Rio Douro e com destino final no aclamado Rio Paiva. A Igreja Matriz, no centro da Freguesia é o ponto de partida desta jornada. Segues em direção ao lugar do Casal, pela Calçada da Cruz, contemplando as vinhas de Picotas, até ao recôndito fontenário do Casal e sua escadaria estreita.

Por entre vielas e o verde da paisagem, inclina um pouco os teus passos, à descoberta de um local mágico e secreto de Fornos. Sombreado por mimosas e austrálias, e o som da água cada vez mais próximo, adiciona 1800 metros ao percurso chegarás aos rápidos do Rio Paiva e conhecerás o moinho abandonado, nas Varzielas.

Retoma a estrada, segue pelos trilhos de monte, numa subida demorada e um pouco íngreme, pelo Caminho do Morangal. A vegetação natural acompanha-te e, sempre que quiseres, podes recuperar o fôlego com ar puro. Atingido o topo da colina, local mais alto da freguesia, desce o Caminho da Quebrada e terás uma das melhores paisagens da região.


São verdes, pintados de erva, os caminhos que te levam, entre subidas, descidas, levadas, montes e campos, até ao lugar do Castelo. A Ilha dos Amores é sítio de paragem obrigatória para quem nos visita. Com um complexo de piscinas, bar e praia fluvial, terás oportunidade de ganhar a energia que precisas para completar o percurso.

Sobe a rua estreita do Castelo, onde o Sr. Falcão constrói, artesanalmente, as redes de pesca e chegas à China. Estrada principal acima, encontrarás a Capela de Santo António, santo que, segundo a lenda, terá nascido em Castelo de Paiva e de quem este povo é devoto. Todavia, esta freguesia também venera S. Pedro e é S. João que dá nome ao feriado municipal.

Quase no final do percurso, ainda há tempo para conhecer o Ferreiro da Cêpa, um dos artesãos mais antigos do Concelho, que, tal como o Sr. Falcão, integra a rota dos ofícios tradicionais de Terras de Payva.
Se precisares de ajuda, conselhos ou dicas para esta jornada conta comigo,

André Maria – Diretor de Percurso PP01
00351 969 426 699 | geral@payvape.pt

Pontos de Interesse

Estes são alguns dos locais interessantes que vais encontrar pelo caminho.. mas há muito mais para descobrir!

O nosso mapa

Explora ao máximo os trajetos, os locais e as possíveis conexões

Ver no Google Maps

Apesar de todo o trajeto estar sinalizado, recomendamos a o download do mapa em GPX ou que sigas o percurso pelo google maps clicando no botão abaixo.

Caso queiras aumentar um pouco mais a tua caminhada, tens a possibilidade de visitar os Rápidos no Rio Paiva e o moinho abandonado de Varzielas. São 1,8 km que acrescentas mas compensa pela beleza natural!


Ver no Google Maps
PercursoDistânciaDuração
Completo9,4 km2h30

GPX Percurso Completo

A nossa sinalética

Segue atento às nossas marcações

A nossa marcação é igual em todos os percursos. Vais encontrar a placa inicial na Igreja Matriz de cada uma das 9 Freguesias (do PP01 ao PP09) e na sede do Centro Sol Nascente (no PP10). As placas direcionais azuis e brancas podem ser encontradas em estacas de madeira, postes de metal ou pinturas.


Geocaching no PP10

Pratica Geocaching enquanto percorres o PP10 - Aldeias de Xisto.

DOWNLOAD DOS MAPAS

Abre os mapas no GOOGLE MAPS ou faz download do GPX para que nunca ter percas do trilho

Video Promocional

Uma mostra dos 10 percursos que te fará querer experienciar o PayváPé.

A nossa equipa

Estes são os voluntários principais do PayváPé, mas há muitos outros que contribuem pontualmente.

Nasce o projeto PayváPé

Nasce em Castelo de Paiva a ideia de criar uma rede de percursos pedestres para explorar o território.